domingo, 15 de fevereiro de 2015

Ao Bruxo O Carinho e a Carta.

Arapiraca, 15 de fevereiro de 2015.

Querido Rodolfo,


Já passa da meia noite do sábado de carnaval que nem é do dia treze, mas, ainda assim decidi trazer o meu abraço, as minhas palavras, o meu carinho que é seu, sempre e tanto, mesmo que não nos falemos mais com a frequência de antes.

Eu poderia me ater a dissertar sobre a saudade, a falta que sinto de conversar com você, tê-lo por “perto” na ligeireza de um click e desse jeito poder lançar mão dos meus melhores risos e choros, e inventar as poesias mais desencontradas, para você me ajudar a colocar os versos nas suas devidas métricas e rimas. Sim, a saudade é senhora a se fazer presente. Tenho cá a impressão de que uma boa parte da minha composição enquanto bicho humano é de saudade e repare que ela não atua como uma espécie de colesterol ruim. A minha saudade é boa que só, embora vez ou outra faça latejar o peito de um sentir mais alvoroçado.

A essa hora, depois desse meu conversê, você me daria um poema, eu bem sei.

Pois é nisso que consiste o que insisto e avivo: em vez de saudade, pra não lamentar a ausência, eu me lembro para agradecer e me fazer honrada, sempre. Eu fiz um amigo de verdade, com toda a carga de sentimentalidade e bem querer que uma amizade pode conter. Eu fiz um amigo que me ofereceu muito mais que um ombro, para me ajudar a solucionar problemas reais. E foi uma oferta tão emocionada e generosa, que mesmo na impossibilidade de aceita-la, eu jamais esqueci. Eu pensei que o universo deveria se sentir lisonjeado de ter um sujeito desses como parte de si. Eu pensei que se eu merecia aquela dedicação e afeto desmedido, eu não deveria ser assim uma exemplar tão ruim de gente.

Eu fiz um amigo de verdade, a quem só vi uma única vez, mas tão fortemente ao ponto de fazer a nós dois na despedida alegre, como se afirmando o que já sabíamos ser de fato, um laço bonito de carinho e zelo, um se importar natural e bom.

Eu não me importo se já se passaram dois dias do dia treze. Minha amizade não vem com rótulo de data especial e pra ser sincera eu pouco tenho dado importância para os dias disso ou daquilo. Eu gosto mesmo é quando os dias se fazem de Sol, palavra e boniteza. Qualquer dia é dia pra se poder dizer ao amigo do seu bem querer. Todo dia é dia de se agradecer por poder ter estado significativamente perto e sorvido sem parcimônia os ares da sua poesia, do seu saber, da sua grandeza e generosidade.

Que você é um homem de inúmeros predicativos, isso já é sabido. Mas eu não me canso de falar que a generosidade pra mim é a mais exagerada delas. Fui tantas vezes vítima e feliz. Aprendi tanto consigo, rapaz! Queria ter aprendido muito mais, mas fui uma aluna dispersa várias vezes.
Agora, nesse instante em que a noite é só silêncio, embora seja carnaval, eu espero que você esteja bem. E nesse dia-a-dia sem charme e poesia, que você esteja todo cuidados consigo mesmo. Isso não é lá uma sugestão, é uma ordem mesmo.

Até breve, bruxo, meu bem.

12 comentários:

  1. Uma lindeza só, do cônego ao comovente final... esse apreço e essa amizade é um dos presentes que o universo nos dá - e sou grata por ser amiga de ambos, tê-los abraçado (ao Bruxo revisto), cativa desse bem querer!
    Meu beijo duplo, queridos!

    ResponderExcluir
  2. Uma carta pra ser guardar numa moldura dourada.
    beijogrande

    ResponderExcluir
  3. Que maravilha e o Bruxo ficará feliz demais. Amizades assim não se fazem todos os dias! beijos, tudo de bom aos dois! chica

    ResponderExcluir
  4. Escrevi um tanto e essa p...enquanto me identificava sumiu. Dizia que concordava o Paulo aí acima. O bruxo se emocionará tanto com essa carta quanto com a amorosidade dessa autora. Beijuus novamente de Parabéns prele e outros proce!

    ResponderExcluir
  5. Está havendo um problema com os comentários no blogger, principalmente para quem usa o Firefox...

    ResponderExcluir
  6. Finalmente, consegui comentar!
    O Barcellos é uma pessoa rara e certamente vai adorar a carta, principalmente vindo de você!
    Bjs, Milene!

    ResponderExcluir
  7. Coisa linda isso Milene.
    Beijo grande pra tu =*

    ResponderExcluir
  8. Mi,

    Eta amizade maravilhosa! Ele fez niver. Dei parabens pelo FB.
    Mas com certeza bom é poder fazer isso de perto quando se tem uma amizade tão boa.

    O seu texto já é um grande presente.

    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Aqui por Macau não se comemora o Carnaval.
    Não faz mal - não sou fã
    Boa semana

    ResponderExcluir
  10. Lembro de quando você o encontrou pessoalmente, o quanto você só confirmou como ele é especial pra você.
    Lindas palavras.
    Marlene Souza

    ResponderExcluir
  11. Oi Milene.
    Belíssima homenagem a seu amigo. Eu tenho muitos camaradas, gente boa, sabe... mas amigos mesmos, conto todos eles em uma palma de minha mão. Esses eu cuido de verdade.
    Abração.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Milene! Que homenagem linda! Eu sou péssima com datas de aniversário e vivo parabenizando após a data, rsrsrs.
    Tão bom ter alguém assim, que ajuda a transformar a vida real em algo mais suave, a reelaborar a ordem das coisas. Sinto muito a falta de alguém assim por perto.
    Achei um barato quando diz que sua saudade não é um colesterol ruim rsrsrs. Desejo que ele se cuide de verdade. Um abraço aos dois.

    ResponderExcluir