domingo, 22 de fevereiro de 2015

ENTRE ASPAS E OUTROS CARNAVAIS



Imbuída de um conhecimento sobre as coisas mais faladas, enchi o peito de indignação a fim de conversar com o meu amigo africano sobre o troféu patrocinado pelo ditador lá da Guiné Equatorial ganho pela Beija Flor nesse último carnaval.

Antes disso, dias atrás, meu irmão Jean me mandou uma mensagem me sugerindo escrever sobre isso, sobre a ausência do romantismo nos desfiles, que se fosse por justiça poética quem haveria de ter sido a campeã era a Portela, linda em seus milhares de tons de azuis. E repare que ele, Jean, tem simpatia por certa escola em verde e rosa. Eu respondi que escreveria sim... só não sabia como. Lá mesmo na casa dele, vendo a lindeza portelense, meu cunhado Jackson e eu comentávamos sobre a quase institucionalização da contravenção como parceira maior das escolas todas e seus luxos. Neguinho da Beija Flor, o cantor vencedor, disse que o dinheiro sujo tornou o carnaval um espetáculo.

Assim sendo, que diferença faz o dinheiro banhado á sangue do ditador africano, em comparação com o dinheiro sujo de cá? Esse pensamento desbotou um pouco da inocência que eu insistia em manter em relação a essas coisas do circo, do que é bonito só pra me distrair de pensamentos mais crus.

Pois bem, voltando ao meu amigo africano e a minha indagação cheia de convicção de estar sendo uma brasileira solidária em indignação e conhecimento das causas alheias. Perguntei: “Você acha que a Beija Flor deveria devolver o troféu de campeã em solidariedade aos seus irmãos de continente, pela absurda doação recebida, quando por lá a população é judiada ao extremo?”. Mandei bem demais, fui antenada, engajada, inteligentíssima, essas coisas todas...

“Bom, eu discordo com os ditadores que usam as riquezas dos países onde são administradores por fins e gloria pessoais despojando mesmo o mínimo necessário aos seus povos. Só não acho que a Beija-flor deveria devolver o troféu antes do governo brasileiro devolver o dinheiro dos impostos que Obiang e filho pagam dos numerosos bens e empresas que possuem nesse país. O Copacabana Palace deveria também devolver o dinheiro todo que eles pagam quando ocupam andares com familiares e amigos que vem gastar o dinheiro da Guiné aqui. E os humanistas que de repente amam demais a África deveria também se preocupar com a juventude negra e pobre que morre nos subúrbio do Brasil mais do que se morre numa guerra civil porque isso também pode se chamar de ditadura. A Suíça também foi homenageada, não foi? De onde vem o dinheiro da Suíça?”. “De toda a corrupção existente no planeta, oxente”. Eu respondi, lhe roubando uns risos antes que continuasse “Os neo humanistas cheios de ética não acharam uma vergonha homenagear um país que se enriqueceu com uma riqueza suja!”.

Fiquei sem tantas palavras. Cada vez que conversamos pra mim é um aprendizado e eu posso compreender que uma pessoa arengueira feito ele não poderia ser bem quista em lugares aonde a livre opinião, o coletivo, o bem comum não é lá coisa muito considerada. Posso imaginá-lo nos seus discursos inflamados buscando um tanto de justiça no lugar dele, que não é de onde veio o dinheiro enlameado da Beija Flor, mas bem poderia ser.

Por isso, veio e brasilizou-se o homem. É tão brasileiro que tem o desplante de lindamente me chamar de caipira e eu acabo achando graça. E ainda me corrige, o gringo dos discursos inflamados, já isso eu acho demais. Não vivi tanto tempo para ter o meu português beirando à perfeição sendo contestado por um querido invasor das pátrias alheias. Mas, o que eu não gosto mesmo é de ter que desenhar pra ele as minhas ironias sempre tão sagazes. Ironias explicadas perdem totalmente a razão de ser, eu explico sempre, sem de nada adiantar.

Enquanto isso, a TV ligada me consome a sensatez com tanta gente imitando um canto, mas gritando enlouquecidos. Fiz valer uma música suave nos meus fones de ouvidos, escutei repetidamente a mesma e linda música e quando meus ouvidos atentaram outra vez para a TV, a gritaria continua, coletiva e feia. Meu pai, se vivo diria: “esses aí se cantarem o dia todo, cantarão muito”.


Apenas, parem. Estou de TPM, não sou obrigada.


7 comentários:

  1. Sabe Milene, o Brasil devia estar envergonhado por ter acontecido essa vergonha...
    Por bem menos o mundo se rebela ...
    O Brasil, um País de cultura, com intelectuais ,poetas,escritores, músicos,mulato, de profunda herança escrava, farto de denunciar as injustiças apesar de megulhado nelas, permitiu isto!
    Esse ditador não é só um ditador sanguinário, é um dos homens mais ricos do mundo e seu povo vive com menos de 2 dolares por dia.
    O Carnaval está manchado de sangue e o Governo Brasileiro devia ter feito alguma coisa, pois a Beija Flor corria sério risco de ganhar e ganhou...e agora?

    http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Guine-Equatorial-tem-povo-na-pobreza-e-um-ditador-milionario/6/24767
    Beijinho

    ResponderExcluir
  2. A águia estava linda. Mas foi a única coisa que eu vi. Mas seria fantástico se toda corrupção do mundo fosse devolvida para o povo. Melhor ainda se todos os corruptos fossem apedrejados em praça pública. Teríamos escolas fantásticas, hospitais de ponta e menos violência no mundo...
    beijogrande

    ResponderExcluir
  3. De carnaval nada vejo, mas dessa notícia não me agradou, como a muita gente. Essas coisas acontecem,mas não acrescentam nada mais do que MAIS UM POUCO DE DESILUSÃO com tudo aqui no Brasil.Em tudo tem tramoias, sujeiras, motivos para indignação! HAJA! Tem razão o teu amigo! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Dinheiro sujo, seja qual for a proveniência, trará sempre esse ferrete.
    Se temos consciência que é de dinheiro sujo que se trata, devemos é fugir dele.
    Boa semana

    ResponderExcluir
  5. Hahaha fechou com chave de ouro... Estou de TPM e não sou obrigada! Ri alto aqui! Vc é ótima... kkkkk

    ResponderExcluir
  6. Milene,
    O mundo é uma panóplia de contradições. Basta perceber, não adianta tentar explicar cada uma delas. Depois, há outra coisa que não adianta, é carregar culpa alheia. Dito isto, em que ficamos?
    Cada um segue o seu caminho, não é assim? De preferência (para mim é essencial) sem dinheiro sujo, mas adorava ter sempre perto de mim a deliciosa ironia da Milene.

    Um beijo :)

    ResponderExcluir
  7. Muito bom seu texto, Milene. Achei a vitória da Beija-Flor muito injusta, mas não por causa do ditador, e sim por causa do desfile morno e sem emoção, msm, além de repetitivo. Pq contravenção, infelizmente, 99% das escolas estão envolvidas. Vide bicheiros e traficantes que são responsáveis por muitas delas. Quem merecia ganhar era a Portela, que fez um desfile magnífico com aquela Águia Redentora, que emocionou a todos quando se curvou pra passar na passarela e depois se levantou novamente. Adorei seu texto. bjs

    ResponderExcluir