quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Do Que É Por Querer Ser


“Justo a mim me coube ser eu”... Essa frase, eu acho, é de uma daquelas tirinhas da impagável Mafalda e me aproprio dela pelos dias em que mergulhei numa das costumeiras crises de identidade e nadei a largas braçadas nos mais profundos mares das tolas reflexões.

Quarenta e seis anos recém completados, mas isso pouca coisa significa além de mais tempo corrido nessa vida boa e aperreada e umas rugas a mais na face emagrecida. Chega um momento na vida em que contar o tempo se faz desnecessário. O importante é preenchê-lo de uma forma a se ter prazer de ser e estar aquilo que se queira. E as memórias... elas também são parte. Elas ajudam a me dizer a mim mesma, nos instantes de deslembranças em que não sei bem quem fui ou por onde estive.

Basta de frases filosofeiras! Quero mesmo é dizer do tanto afeto pelo qual fui prazerosamente atingida nesse dia dos meus quarenta e seis anos. São meus todos aqueles carinhos ditos em telefonemas ou mensagens nas páginas sociais. Ainda sinto os abraços e olhares, as palavras ao pé do ouvido, a extrema gentileza de gente que ta perto, gente de muito longe, gente de toda parte, gente de toda idade, como bem disse minha irmã Gisele.

O quão bacana são as singelezas dos gestos. A Gabi ontem foi me abraçar na Secretaria da escola, me levando um embrulhinho vermelho, amarrado com cordão preto. Embora achando um troço meio flamenguista, guardei na bolsa já percebendo que se tratava de bombons. Gabi é doce, tão doce, tão linda pessoa. Então o embrulho ficou esquecido na bolsa até a manhã de hoje, quando abri e tive uns instantes de choro leve, alegre. Que estava por lá, além dos bombons, uns corações recortados e uma lindeza de carta escrita à mão. Há tempos eu não recebia algo assim, carinhosamente manuscrito e dizendo tanta coisa bonita. Me lembrei de quando a mãe dela um dia disse: “vocês duas de gerações tão diferentes e parecem que tem a mesma idade”. A madura é ela, eu acho. “Seu sorriso é combustível para muitas pessoas”, ela me escreveu, entre tantas outras palavras de ternura.

O Miguel me cantou um “parabéns pra você” pelo telefone. A Marina resmungou porque faltou todo mundo cantar junto a mesma cantoria; a propósito, ganhei dela uma coruja de pelúcia a quem chamarei de Otávio, porque acho que é macho. Isabella me intimou para um selfie, afinal era meu aniversário. Davi até deixaria eu lhe dar cinqüenta e nove beijos que ele me deve, mas fui uma madrinha boazinha e não judiei do menino. Cristiane me chamou de “entojo”, mas com todo o amor dessa vida. Cicinha foi me dar um abraço e quase arrancou meu pescoço, mas a intenção foi bacana, acreditem. Minha mãe sussurrou coisas de amor num abraço que era tanta ternura, mas tanta... “Você é a rosa dos meus ventos”, que lindeza o Rodolfo escreveu.  Rafaela me ligou depois de séculos de abdução e eu fingi desconhecê-la; durou dois segundos o meu mentiroso desafeto. A Tia Nem liga sempre, todo aniversário, com a voz mais doce desse mundo, dizendo lindezas. Meu amigo Zé se culpou por ter ligado e me desencontrado, mas de amigo da espécie dele a pessoa não se desencontra nunca nessa vida. Tia Nilza me deu um presente e disse que era tão lindo quanto quem ganhou. Pode crer, acreditei nisso tudo. E tantas outras bonitezas em torno de mim. As pessoas falam a mim, as palavras e gestos serão meus desde então, oxente.

O dia do aniversário de alguém é sim um bom pretexto pra ela se sentir acarinhada e especial. Os clichês, os desejos em torno da sua vida, os bons pensamentos... tudo vale a pena, tudo é motivo de se preencher o baú de afetos que por vezes se esvazia um tanto. Eu não me faço de rogada e recebo esse bem querer todo sem qualquer constrangimento. É singelo, é livre, é porque quer ser.

Eu bem sei, florear um existir primaveril, em cores equilibradas e apenas com aroma de agradabilidade não é possível. Viver é essa intensa mistura da doçura com a acidez e aí está o encanto, de não ser tudo sempre uma coisa só. O existir se faz a cada dia, a cada passo e olhar que dou e recebo em troca, mesmo quando estamos feito pétalas secas, mesmo quando a ternura achou de tirar um cochilo.


“Viver é bom, nas curvas da estrada”... Cazuza estava certo.


Um bicho igual a mim, simples e humano 
Sabendo se mover e comover 

E a disfarçar com o meu próprio engano.

(Trecho de "Soneto do Amigo", do Vinicius de Moraes, 
que a Gabi escreveu inteiro na carta a me emocionar)


13 comentários:

  1. Você é a rosa dos meus ventos
    Você é o vento dos meus ares
    Você é meu mar de sentimentos
    Você é o sentir dos meus amares.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Milene!!! Quanta partilha boa! Mesmo não sendo muito festeira, gosto de aniversariar. Dos clichês que reavivam na alma a luzinha da esperança que diz, "você é importante para muita gente e todos querem vê-la feliz". Não é assim? Que o novo ano traga mais rugas, só de sorrisos. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns,Milene! Felicidades, tuuuudo de bom!bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Milene, demonstrações de afeto, em dia especial, são também mais que especiais. E merecem ser acolhidas, sentidas, colecionadas... guardadas. Os mimos que lhe deram enchem o coração de alegria. Mais uma vez, desejo-lhe um ano assim, repleto de carinho e alegria. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. E é assim que a gente começa mais um novo ano de vida. ..recheada de bemquerencias...se achando e encontrando amor nos gestos miúdos e simples! Bjus de felicidades hj tb minha Mi nina

    ResponderExcluir
  6. Olá Milene,

    Um texto tão lindo, tão carregado de afeto e gratidão...
    Você merece todos os afagos que recebeu, pois é uma fofa sentimental que consegue tocar o coração das pessoas somente com suas palavras.
    Seja muito feliz, querida! Que a vida lhe sorria muuuiiiittttoooo!!!!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  7. Hehehehehehehe parabéns minha amiga de crônica impagáveis! Ainda bem que coube a você ser você... Porque se você não fosse você e você não existisse... O mundo dos blogs seria muito mais triste!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns a você ainda que um bocadinho atrasados.
    Boa semana

    ResponderExcluir
  9. Adorei a crônica, Milene. E parabéns atrasado. Esses bombons estavam deliciosos, com certeza. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
  10. Milene,
    Essas "costumeiras crises de identidade", em que nadas "a largas braçadas nos mais profundos mares das tolas reflexões", são uma bênção para quem tem o prazer de te ler. Fico-te muito grato por ser quem és.
    Embora atrasado (bolas, porque é que teimo em não usar relógio?) parabéns pelo aniversário.

    Beijinho :)

    ResponderExcluir
  11. Obviamente que, no comentário anterior, onde escrevi "ser" deveria ter acoplado "seres". No fundo foi mais um pretexto para endereçar parabéns. Que contes muitos e bons, Milene!
    Beijinho :)

    ResponderExcluir
  12. Milene,
    Essas "costumeiras crises de identidade", em que nadas "a largas braçadas nos mais profundos mares das tolas reflexões", são uma bênção para quem tem o prazer de te ler. Fico-te muito grato por ser quem és.
    Embora atrasado (bolas, porque é que teimo em não usar relógio?) parabéns pelo aniversário.

    Beijinho :)

    ResponderExcluir