segunda-feira, 11 de abril de 2016

Moedas



Saiu de casa pela manhã com algumas moedas de sentimento no bolso. Havia fome, muita,  e por isso pensava em comprar uma porção sonhos, grandes e doces, a lhe conformarem o apetite voraz pelo viver cheio de mistérios e sons, cheiros, gostos e tais. Mas, o quê!? Viver era caro, era o que descobria enquanto lhe era oferecida apenas meia dúzia de ilusões frias e desbotadas de sabores. A isso recusava aceitação. Seguia em frente, assim, inventando jeitos de caminhar à crise a lhe assombrar bolsos e pensamentos. 




9 comentários:

  1. Dura realidade tão bem traçada poeticamente aqui! bjs, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. do desejo e suspiro

    ----

    apenas um desvio no olhar...

    ----

    beijo

    ResponderExcluir
  3. Quantas pessoas não passam por esse drama no Planeta??

    ResponderExcluir
  4. É a vida minha amiga. As vezes leve pra uns e pesada demais para outros.

    Escrevestes lindamente.

    ResponderExcluir
  5. A beleza das palavras a mostrar a tristeza que a muitos assola. Um texto encantador para vestir a seriedade do que transmite. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Reflexivo, triste e muito real, Milene. Que ótima postagem! Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Viver é caro... sonhar é caro... abraçar o sonho, também. Cada qual é caro, em diferentes pontos de vista. Ele está certo em dispensar quimeras que lhe oferecem, mas quando acabará sua triste sina? Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Milene.
    Relata com poesia a dureza de uma vida que é isenta de vida, pois que é apenas um sobreviver árduo que impele o ser.

    abç amg

    ResponderExcluir
  9. Excelente relato de uma realidade presente para tanta gente por este mundo que alguns dizem de Cristo, mas onde o poder e o dinheiro governam .Abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir