domingo, 5 de junho de 2016

O Derradeiro e Infinito Voo

Era madrugada de sexta feira quando a Bia me contou da sua partida. Eu tentava pintar as unhas nesse instante porque no dia seguinte teria um passeio e queria parecer vaidosa, sabe? Você sabe. Você sempre soube tudo de mim. Você sempre me soube tanto, sempre.

Eu chorei. Silenciosa e triste. Eu chorei muito enquanto as memórias passavam ligeiras e boas. Eu misturava dor e gratidão no meu choro e pensava que você ter partido assim, sem que tivesse sido direito a hora, não era justo comigo. Eu chorava silenciosa, triste, grata e egoísta, porque a justiça dessa hora não tinha que ser pra mim e sim pra você que talvez precisasse realmente seguir os seus vôos por outros cantos.

Eu chorei de saber que não haverá mais “Miminha” no bate papo do Facebook, nem eu lhe puxando as orelhas eruditas porque você tomou por mim uma decisão aperreada, mesmo eu dizendo que não fizesse e o fez pensando em cuidar de mim, em me proteger, em zelar pelas letras minhas que tanto gostou, sempre. E depois se desculpando tão doce e menino. E depois o silêncio, porque você precisou calar e se cuidar.

Eu chorei, meu querido, mas sei que em breve tudo será memória boa dos tantos versos que me fez, dos seus pitacos de gente sabida, das correções espirituosas que ninguém mais fazia. Meu riso vem até hoje quando me lembro de postar sobre o “zoodíaco” de libra para aquele dia e você comentou no mais inteligente dos humores que “apesar de ter muito bicho lá, não era zoodíaco, era zodíaco”. E a comunheira que na verdade se chamava cumeeira? Você sabe, eu não tenho culpa se essas coisas vivem, desavisadamente, mudando de nome.  

Eu e você choramos juntos um choro alegre, você se lembra? Era a despedida daquele nosso encontro em Maceió em que nos divertimos tanto, compartilhamos tanto, nos enriquecemos ainda mais de amizade e cumplicidade. As rosas, os poemas, as canções. Eu, você, Simone, Denise, Dora, o mar. As comidas e prosas, o frio noturno na orla, vocês ajeitando as minhas idéias para a realização de um livro. O seu carinho, cuidado e amizade que eu já sabia da existência e grandeza, eu vi de perto, eu senti no seu abraço e olhar afetuoso. Eu sou absurdamente grata por você ter vindo. Eu sou monstruosamente grata por você ter decidido estar na minha vida e tê-la enriquecido por isso. Eu até nem me importo tanto se só Simone e Denise ganharam canções suas... Bem, agora eu disse meia verdade, repare.

Não há como preterizar o seu verbo. Será que você aprovaria esse neologismo mal aprumado? Será que me corrigiria apontando um caminho mais adequado? Eu hei de pensar que sim. As flores, os versos, os vôos, o Fluminense, Niterói... o mundo. Tudo há de sentir a sua falta, mas você estará incrivelmente presente porque as suas letras o eternizarão, o seu carinho pela vida, pelo outro, o eternizará. A sua gentileza será o seu retrato, meu querido bruxo, num mundo tão exaurido de inquietação equivocada.

A mim resta agradecer de forma incansável o tamanho da generosidade que de si eu recebi e as pessoas talvez não saibam o quanto. E ontem, quando contei para alguns da sua partida, a maioria me disse: “ele gostava muito de você”. Eles estão certos. Eu sei disso desde o seu primeiro comentário no blog envelhecido. Eu sinto isso e sentirei não importa quanto tempo passe. E sou tão grata.


Obrigada, bruxo, meu querido. 
Eu também te amo.




11 comentários:

  1. perfeito Milene, ele está recebendo tuas energias de amor, bjs

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, Milene! O carinho que havia entre vocês era gritante e maravilhoso. Ele se foi, mas deixou raízes profundas nos corações dos amigos. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Assim que soube lembrei em ti e sabia dessa amizade linda entre vocês! Ele descansou e que tu fique bem assim como todos familiares e amigos! bjs

    ResponderExcluir
  4. ...ele foi buscar estrelas pra te dar.

    [a amizade mais querida que senti ao vê-los em palavras]

    muuuita luz Poeta. você merece um recomeço feliz.


    beijo Mi

    ResponderExcluir
  5. ...ele foi buscar estrelas pra te dar.

    [a amizade mais querida que senti ao vê-los em palavras]

    muuuita luz Poeta. você merece um recomeço feliz.


    beijo Mi

    ResponderExcluir
  6. Um texto emocionante, pleno de admiração e amor. Ninguém morre, senão quando é esquecido pelos que amou.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Olá, Milene! Era transparente o especial carinho que ele sentia por você, assim como a sensibilidade em suas rimas sempre tão bem inspiradas e colocadas, em versos melodiosos como a beleza de sua alma.
    É uma linda homenagem... certamente quem parte sente um carinho tão grande como o seu.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Puxa... Lindo Texto minha amiga.
    Emocionante!

    ResponderExcluir
  9. E eu chorei lendo essa postagem... bjs

    ResponderExcluir