terça-feira, 9 de maio de 2017

Imponderável

Não era uma noite quente, mas precisava um ventilador girando as suas hélices para afastar os mosquitos insistentes em exageros. Uma blusa de pijama de mangas compridas sobre a camisola ajudava a evitar o friozinho sem precisão e assim a noite passaria bem.

Pela manhã a blusa de pijama estava jogada entre o travesseiro e a cabeceira da cama e de jeito nenhum eu me lembro de tê-la tirada. Acordada enquanto fazia isto, pelo menos eu não tenho memória.

Não é a primeira vez desse acontecimento, são várias as vezes, aliás. Então, eu gosto de pensar que é a vó que vem de noite e sabe que estou com calor. E ela me ajuda a tirar a blusa de mangas compridas sem que eu nem perceba. É o amor dela que vem e me cuida. Eu acho bonito pensar assim, mas não sei de que jeito, porque eu não acredito no sobrenatural.

Não se trata de sobrenatural essa história que na verdade não passa de uma vontade minha, que a vó pudesse vir de onde tivesse pra me dizer uns afetos de vez em quando e isso não implicasse em eventos outros e inexplicáveis. São apenas vontades, lembranças e saudades.

O fato é que a blusa saiu-se de mim e como isso aconteceu eu verdadeiramente não sei, não me recordo, não compreendo. Tem aqueles instantes em que a gente, feito criança, está “bêbado de sono” e possivelmente faça coisas instintivamente. Mas eu acho essa explicação tão sem poesia, por isso a rechaço. Prefiro ater-me ao amor, meu e da vó, que é daqueles além de nós duas, além do ponderável, além do que se pode ajeitar definição repleta de lógica.

Eu gosto mesmo é do que o coração inventa, que é pra gente suportar a realidade com outras forças e uma dose extra de boniteza.



7 comentários:

  1. Linda história e que bom receber essas visitas de "tão longe", que te amam...bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Deixar falar o coração resulta sempre em momentos de grande beleza poética.

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto mesmo é do que o coração inventa, que é pra gente suportar a realidade com outras forças e uma dose extra de boniteza.
    Muito bonito Memem!
    Amei e acho que a vida só faz sentido se for levada com essa poesia existencial
    Beijinho

    ResponderExcluir
  4. MILENE,

    além do texto belíssimo gostei muito da inserção da palavra "boniteza".É uma palavra tão linda quanto saudade.
    Estou lhe comunicando também que no nosso blog HUMOR EM TEXTOS,estou publicando meu livro em capítulos, HÁDESER: O PAÍS DO FUTURO.
    Quem sabe você goste?
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Milene como vai?
    Que bom que voltou a escrever em seu blog, gosto muito de acompanhá-la! Sobre a questão que deixou no Romance, está lá respondida! ;)
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. O coração inventa e nos ajuda a fugir um pouco da realidade, Milena. Mas muitas vezes nos machuca. ótimo texto. Bjss e bom te ver de volta.

    ResponderExcluir
  7. Há anjos que fazem isso mesmo, às vezes como avó também! lindo

    ResponderExcluir